domingo, dezembro 25, 2011

Crônica de infidelidade





Estava escuro, todos em volta dançavam. 
Eles se avistam. Sorriem.
Ele a envolve nos braços, ela recua.
Então, ele a toca suavemente nas mãos
e pede uma dança, irresistivelmente.
Dançam juntos, movimentos em sincronia.
Se divertem, bebem, brincam.
Ele a corteja e ela samba com maestria.
Se aproximam cada vez mais.
Em volta, olham com desaprovação.
Ele se despede, está indo embora.
Mas, ela não dança sozinha.
Não sabe dançar sem companhia.
Então, ele retorna e num misto de desejo e fúria, a beija.
Juntos, partem.
Repartem a cama, a volúpia.
Os olhos se fecham, os corpos molhados de suor se unem e encaixam.
A noite termina em ressaca.
Foi uma dança, só mais uma transa.
E quando vai embora, em outro abraço ele vai repousar.

Ladymsr



'Para ele, uma transa típica
O amor em seu formato mínimo
O corpo se expressando clínico
Da triste solidão, a rúbrica'

                                                                                                      Formato mínimo -Skank




Um comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...