domingo, janeiro 30, 2011

O Adeus





Um dia inteiro ao lado dele. Típico domingo, almoço com a família, mas que pra mim era o maior motivo de alegria. Sorrisos escancarados, olhares disfarçados, desejos ocultos. Voltando para casa, me surpreendeu com o toque das mãos, que deslizava por entre meus dedos. Sentados distantes um do outro... queria me aproximar, beijá-lo. Que tolice sermos 'apenas amigos'. Nos meus delírios ele me amava. Nos meu sonhos gritava isso ao mundo.
Não sei, não fui capaz de perceber... era a despedida. Ao fundo, tocava 'Use Somebody' , e o beijo no rosto que guardo comigo. Desci do carro, acenei e, pelo resto do dia dava pulinhos de entusiasmo e esperança. Mas o tempo foi passando, passando...não tive mais notícias. E depois de tantas risadas, segredos e confidências, hoje não somos nem amigos.



sábado, janeiro 29, 2011

Carvão




Surgiu como um clarão,
um raio me cortando a escuridão.
E veio me puxando pela mão,
por onde não imaginei seguir.
Me fez sentir tão bem, como ninguém
e eu fui me enganando sem sentir,
e fui abrindo portas sem sair,
sonhando às cegas, sem dormir.
Não sei quem é você...
O amor em seu carvão
foi me queimando em brasa no colchão

e me partiu em tantas pelo chão,
me colocou diante de um leão...
O amor me consumiu, depois sumiu
e eu até perguntei, mas ninguém viu
e fui fechando o rosto sem sentir
e mesmo atenta, sem me distrair...
Não sei quem é você.
No espelho da ilusão,
se retocou pra outra traição,
tentou abrir as flores do perdão,
mas bati minha raiva no portão
e não mais me procure sem razão.
Me deixe aqui e solta a minha mão.
E fui fechando o tempo, sem chover
Fui fechando os meus olhos, pra esquecer
Quem é você?


sexta-feira, janeiro 28, 2011

Linhas Paralelas





'As pessoas chegavam e partiam entre viagens inconciliáveis, linhas paralelas, o infinito não existia...'   
Caio Fernando Abreu
E depois de tanto tempo me sentindo sozinha... eu disse Adeus! E quantas noites dormi ao lado do celular, esperando um sms, ou melhor ainda, uma ligação (que nunca veio), esperava um e-mail, uma carta, qualquer coisa que me livrasse do pesadelo de perdê-lo. Um ano e meio procurando por vestígios de amor. 
Disse Adeus, e como foi difícil. Meu aceno, sorriso amarelo e o desejo de que tudo fique bem, com ele e comigo, separados. Ah!  Se pudesse voltar atrás. Nunca fui de pontos finais. Queria mesmo é que ele recusasse o adeus, me chamasse de louca e apenas um beijo, faria tudo ficar melhor. 
Mas não foi assim...o Adeus foi aceito em silêncio, sem perdões nem beijos, como dois desconhecidos. Cada qual com teu destino,  seguindo teu caminho... linhas paralelas.


@Ladymsr



domingo, janeiro 23, 2011

Mais um dia...


"E assim consigo dormir mais um dia, passar mais um dia, viver mais algumas horas, sem ligar pra única pessoa que eu queria ligar. Consigo seguir em frente mais um dia sem ligar pra ele. Consigo distrair meus dedos, minha mente, meu peito, minha violência, meu buraco, minha vertigem, meu soco no estômago, meu desespero, meu automático, meu extinto contrário, minha curiosidade infantil mas sempre com resultados duros demais para uma criança, minha vontade de enfiar o dedo na tomada só pra sentir a descarga mortal que tanto parece com impulso de vida. Consigo distrair os batimentos cardíacos que sinto em lugares do meu corpo que ainda queriam mais um toque dele. E partes da minha pele que saem buscando porque ainda não receberam a informação do fim, o sangue ainda não levou a má notícia para meu corpo todo. E consigo distrair minhas roupas, que querem se mostrar, cada dia uma diferente, para ele. Só para ele. E distrair meus ouvidos loucos pela sua voz. E distrair meus pés loucos pra encaixar atrás da sua batata da perna. E distrair minha língua, querendo decodificar e marcar cada centímetro das suas estranhezas. E distrair a crença cansada, a saudade renegada. Distrair essa sobrinha de você que continua enorme, mesmo sendo, agora, uma sobrinha."

Tati Bernardi


sexta-feira, janeiro 21, 2011

Fundamental é o amor





De repente, paro tudo o que estou fazendo, meus pensamentos voam, meu olhar fica vago, me sento ali, e assim passo horas. Como se estivesse esperando que algo aconteça, que alguém apareça, abra a porta e me diga que não estou mais sozinha. Alguém que preencha meus espaços vazios. Que faça desaparecer essa saudade de tudo o que não conheço. Veja bem, não estou reclamando da vida. Só quero ter com quem dividir minhas alegrias. Preciso de companhia...e quem não precisa? Como diria Tom Jobim: 'Fundamental é mesmo o amor, é impossivel ser feliz sozinho'.  Mas essas esperas são cada vez mais frequentes, devaneios. Não sei se continuo aqui, sentada a esperar, ou saio às ruas a procurar... o amor.


domingo, janeiro 16, 2011

O bem que o amor me faz




O brilho nos meus olhos não esconde. O tom da minha voz mudou, transmite alegria. Tudo em ordem, tudo em sintonia. Os pássaros que vejo agora pela janela, cantam harmoniosamente, ou será que antes não via? Meu sorriso irradia felicidade ao te encontrar. A minha pele é testemunha do bem que o amor me faz.



quarta-feira, janeiro 12, 2011

Encontro


Foi um encontro. Não daqueles planejados, com um fim determinado.  Apenas caminhos cruzados, ponteiros do destino. De repente, por longos espaços largos passos se apressaram, esbarramos. Em um intensa troca de olhares, nos conhecemos, reconhecemos. Vidas passadas. No toque das mãos, senti, o vi sentir. E tocou meu rosto com a leveza de uma pena e ferocidade de um desejo não saciado. Uma onda de arrepios por todo o corpo. E o beijo que me fez entender: era você que me faltava. Era por você quem eu esperava. Em cada fim de tarde na janela. Em cada madrugada nos meus sonhos, era contigo que sonhava.


quarta-feira, janeiro 05, 2011

'Somewhere Over The Rainbow'







"Em algum lugar além do arco-íris.
Bem lá no alto,
pássaros azuis voam 
e os sonhos que você sonhou 
realmente se tornam realidade..."

Israel Kamakawiwo'ole

terça-feira, janeiro 04, 2011

Promessas



Um dia, alguém prometeu que faria o tempo parar para que ficássemos juntos.
Um dia, alguém me jurou o impossível.
Mas ninguém pára o tempo.
Ninguém controla um sentimento.
E pelo mesmo caminho que veio a mim, partiu,
sem olhar pra trás, sem dizer adeus.

segunda-feira, janeiro 03, 2011

Meu drama



E se passam os dias, meses, mas ainda ficam as lembranças. O estranho é que não sei dar nome ao que restou. Não é amor, nem ódio, não é dor ou rancor. O que ficou é neutro. Não me desperta a vontade de me jogar de um precipicio. Não é algo desesperado, extremo. Há um mês não me via sem ele... hoje, o vejo seguir outros caminhos, vivendo outros amores e só tenho vontade de chorar baixinho. Não preciso gritar nenhuma dor. Nem alugar meus amigos com desabafos intermináveis. Assisto meu próprio drama, sem outros espectadores. Apenas testemunho minhas saudades. E me pergunto se a solidão sempre será minha companhia...


domingo, janeiro 02, 2011

Despedida

.

Por mim, e por vós, e por mais aquilo que está
onde as outras coisas nunca estão deixo o mar bravo
e o céu tranqüilo: quero solidão.
Meu caminho é sem marcos nem paisagens.

E como o conheces ? - me perguntarão.
Por não ter palavras, por não ter imagens.
Nenhum inimigo e nenhum irmão.
Que procuras ? Tudo. Que desejas ? - Nada.

Viajo sozinha com o meu coração.
Não ando perdida, mas desencontrada.
Levo o meu rumo na minha mão.
A memória voou da minha fronte.

Voou meu amor, minha imaginação...
Talvez eu morra antes do horizonte.
Memória, amor e o resto onde estarão ?
Deixo aqui meu corpo, entre o sol e a terra.

(Beijo-te, corpo meu, todo desilusão !
Estandarte triste de uma estranha guerra ... )
Quero solidão.


Cecília Meireles


Eu amava


Eu sonhava, enquanto dormia nos teus braços e sentia na minha, na tua pele a brisa que entrava pela janela. E agora, reflito, naquele tempo eu não vivia apenas, eu amava.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...