sexta-feira, dezembro 31, 2010

O fim, um recomeço...



E mais um ano chega ao fim! 2010, um ano de esperanças, descobertas, sorrisos, lágrimas, milagres. Sim, milagres. Eles aconteceram...
Foram tantas mudanças. Olho para o passado e já não me reconheço. Há um ano era uma criança. Conheci o mundo e vi que não era tão belo como sonhava.
Mas não foi de todo ruim!
Fui à festas, tive meu primeiro porre e ressaca e descobrir que trabalhar é um mal necessário. Provei o sabor do amor, e também, o da decepção.
Fiz amizades, que sempre levarei comigo. Amizades que foram provadas, quando mais precisei. Não foi um ano fácil. Precisei de apoio, palavras amigas... precisei de carinho. E os meus amigos estiveram comigo.
Agradeço à todos que compartilharam bons momentos comigo. À todos que marcaram presença, que me conquistaram. E que façamos um 2011 muito melhor! :)



quarta-feira, dezembro 29, 2010

Tempestade dentro de mim





Choveu muito por aqui.
Lágrimas me invadiram, 
solidão fez-me companhia. 
Tempestade dentro de mim. 
A noite parecia não ter fim. 
Trovoadas me assustavam, 
só enxerguei dor. 
Sentia dor ao lembrar o 'adeus', 
despedida sem motivos. 
Fiquei perdida. 
No escuro, sozinha. 
Mas, enfim, está amanhecendo, 
o vento vai levando todas as nuvens do céu 
e as lágrimas vão se secando. 
No ar sinto calmaria,  umidade, paz. 
E a esperança de que nasça um amor 
que seja tranquilo como a brisa que sinto na pele. 
Tão puro quanto um rio de àguas cristalinas. 
Revitalizante como deitar-se à beira de uma cachoeira 
e ficar a escutar o som da natureza. 
Que seja sincero como as palavras vindas de uma criança
e como esse Sol que está nascendo,
iluminando meu caminho e apagando toda má lembrança
da tempestade que passou.


Dias melhores




Deixe estar. Deixe viver. Deixe amar. Se permita sentir, errar também, mas aprenda com eles, não os repita.
Amores vem e vão. Algumas mágoas ficarão, mas o coração sempre tem capacidade de suportar e amar outra vez. O coração renasce e tem muito mais do que sete vidas. Tantas e tantas vezes pensei que fosse morrer de amor e sobrevivi? A vida tem dessas coisas, desamores. Mas não devemos perder a capacidade de amar, de acreditar. Dar uma chance. Amar como se fosse a primeira vez. Que tal começar hoje? Por quê a necessidade de esperar que o outro ano comece para que façamos coisas diferentes e o que temos vontade? O HOJE é todo seu, busque o que te faz feliz!


"Vivemos esperando
dias melhores.
Dias de paz, dias a mais. 
Dias que não deixaremos 
Para trás..."





Sensibilidade





Sensibilidade,
algo que não enxergamos,
e nem sempre possuímos.
A sensibilidade está no olhar que pacifíca,
no toque das mãos que acalma,
no abraço que acolhe,
no gesto solidário.
A sensibilidade está no amor,
no bem que se faz ao próximo sem se importar com retornos.
É um dos dons mais puros e raros.
Ela está na verdade dita, mas que nunca fere.
Está na delicadeza, no sentir o que o outro sente.
Está na canção de ninar, 
no ato de amar,
no cuidado da mãe com o filho,
na cúmplicidade dos amantes.
A sensibilidade de valorizar as pequenas coisas do cotidiano,
de assistir ao pôr-do-sol.
Às vezes está presente na palavra,
quase sempre está no silêncio que respeita.
Sensibilidade que aflora e resplandece.
Que esteja presente no presente...
Desejo sensibilidade à todos,
hoje e sempre!



segunda-feira, dezembro 27, 2010

Dream




Eu era uma menina sozinha no meu mundinho,
que sonhava com uma pequena casa pra mim.
Eu representava fingindo entre as árvores,
e carregava cascas e folhas para minha casa de hóspedes,
e dava risadas na minha linda cama verde.
Longos caminhos no escuro através de madeiras cultivadas por trás do parque,
perguntei a Deus, quem eu costumava ser.
As estrelas sorriram para mim,
 Deus respondeu em um devaneio silencioso.
 Eu fiz uma oração e adormeci.
Eu tinha um sonho
de que eu poderia voar da mais alta árvore.
Eu tinha um sonho.
Agora estou velha e me sentindo cinzenta.
Eu não sei o que dizer
sobre esta vida que estou disposta a deixar.
Eu a vivi plenamente e eu a vivi bem,
há muitas histórias que eu tenho para contar.
Estou pronta agora, eu estou pronta, eu estou pronta
 para voar das mais alta das árvores.

Lá está ela...

    

" Lá está ela, mais uma vez. Não sei, não vou saber, não dá pra entender como ela não se cansa disso. Sabe que tudo acontece como um jogo, se é de azar ou de sorte, não dá pra prever. Ou melhor, até se pode prever, mas ela dispensa.
Acredito que essa moça, no fundo gosta dessas coisas. De se apaixonar, de se jogar num rio onde ela não sabe se consegue nadar. Ela não desiste e leva bóias. E se ela se afogar, se recupera.
Estranho é que ela já apanhou demais da vida. Essa moça tem relacionamentos estranhos, acho que ela está condicionada a ser uma pessoa substituta. E quem não é?
A gente sempre acha que é especial na vida de alguém, mas o que te garante que você não está somente servindo pra tapar buracos, servindo de curativo pras feridas antigas?
A moça…ela muito amou, ama, amará, e muito se machuca também. Porque amar também é isso, não? Dar o seu melhor pra curar outra pessoa de todos os golpes, até que ela fique bem e te deixe pra trás, fraco e sangrando. Daí você espera por alguém que venha te curar.
As vezes esse alguém aparece, outras vezes, não. E pra ela? Por quem ela espera?
E assim, aos poucos, ela se esquece dos socos, pontapés, golpes baixos que a vida lhe deu, lhe dará. A moça [...] levanta e segue em frente. Não por ser forte, e sim pelo contrário…por saber que é fraca o bastante para não conseguir ter ódio no seu coração, na sua alma, na sua essência. E ama, sabendo que vai chorar muitas vezes ainda. Afinal, foi chorando que ela, você e todos os outros, vieram ao mundo. "
Caio Fernando Abreu

Robôs não amam



Tire tua máscara
e armadura.
Rasgue teu peito
e revele teu coração,
que é de pedra.
Teu cérebro...
com milhares de conexões e fios,
foi invenção e modificação humana.
Confesse: Robôs não sentem,
robôs não amam.




sexta-feira, dezembro 24, 2010

Poema de Natal




Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado.
Dedos para cavar a terra.
Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar,
falar baixo, pisar leve, ver
a noite dormir em silêncio.
Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre.
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.

Vinicius de Moraes



quarta-feira, dezembro 22, 2010

Te espero


"Tenho medo de já ter perdido muito tempo. Tenho medo que seja cada vez mais difícil. Tenho medo de endurecer, de me fechar, de me encarapaçar dentro de uma solidão – escudo. E à noite eu ainda te espero, mesmo quando sei que você não virá, só para ter saudade."
Caio Fernando Abreu

Tenho medo de não mais saber amar. De me tornar uma pessoa fria, sem sentimentos. Ou, então sensível demais, do tipo insuportável. Hoje mesmo, me peguei chorando quando me veio à tona boas lembranças. E desejei voltar no tempo. Não, não mudaria nada. Só queria poder reviver um segundo de um dia especial. 
Não sei se isso passa com o tempo, essa falta, essa carência que me faz refém. 
Mas se passou um mês da despedida, da minha fuga, e aqui estou, cada vez mais presa. Ainda te lembro, te espero. Me pergunto se isso tudo não passa de obsessão, mas a resposta? É amor, eu sei...




terça-feira, dezembro 21, 2010

Se não era amor



''Se não era amor, era da mesma família. Pois sobrou o que sobra dos corações abandonados. A carência. A saudade. A mágoa. Um quase desespero, uma espécie de avião em queda que a gente sabe que vai se estabilizar, só não se sabe se vai ser antes ou depois de se chocar contra o solo. Eu bati a 200 km por hora e estou voltando à pé pra casa, avariada." 

Martha Medeiros 


domingo, dezembro 19, 2010

História vivida




Um sentimento distante. Ouço ecos de amores vividos, de vidas amadas. Lembranças. Cartas enviadas, beijos roubados, sonhos em papel e caneta. Mas tudo é passado. O amor que senti, não sinto. Sobrou um espaço vazio, algumas linhas em branco e uma página rasgada. O livro acabou! Só restaram memórias de uma linda história que outrora vivi.




segunda-feira, dezembro 13, 2010

A vida lá fora




"Ela também teve seu coração machucado. Dilacerado, imagino. Normal. Desse mal, meu bem, ninguém escapa. Mas o bom disso tudo é que agora consigo abrir meu coração sem rodeios. Sim, amei sem limites. Dei meu coração de bandeja. Sim, sonhei com casinhas, jardins e filhos lindos correndo atrás de mim. Mas tudo está bem agora, eu digo: agora. Houve uma mudança de planos e eu me sinto incrivelmente leve e feliz. Descobri tantas coisas. Tantas, Tantas. Existe tanta coisa mais importante nessa vida que sofrer por amor. Que viver um amor. Tantos amigos. Tantos lugares. Tantas frases e livros e sentidos. Tantas pessoas novas. Indo. Vindo. Tenho só um mundo pela frente. E olhe pra ele. Olhe o mundo! É tão pequeno diante de tudo o que sinto. Sofrer dói. Dói e não é pouco. Mas faz um bem danado depois que passa. Descobri, ou melhor, aceitei: eu nunca vou esquecer o amor da minha vida. Nunca. Mas agora, com sua licença. Não dá mais para ocupar o mesmo espaço. Meu tempo não se mede em relógios. E a vida lá fora, me chama!" 


Fernanda Mello


O trem




E lá se foi o trem.
Perdi a hora, não sei.
Só sei que passou.
Minha esperança,
arrastada pelos trilhos.
Meus sonhos, se apagaram,
desenhados no vidro embaçado.
Meu sorriso, não existe mais.
Desfaço as malas e tento esquecer os planos.
O meu amor se foi no trem.




segunda-feira, dezembro 06, 2010

Perguntas




Quantas vezes você andava na rua e sentiu um perfume e lembrou de alguém que gosta muito?
Quantas vezes você olhou para uma paisagem em uma foto, e não se imaginou lá com alguém... 
Quantas vezes você estava do lado de alguém, e sua cabeça não estava ali? 
Alguma vez você já se arrependeu de algo que falou dois segundos depois de ter falado? 
Você deve ter visto que aquele filme, que vocês dois viram juntos no cinema, vai passar na TV... 
E você gelou porque o bom daquele momento já passou... 
E aquela música que você não gosta de ouvir porque lembra algo ou alguém que você quer esquecer mas não consegue? 
Não teve aquele dia em que tudo deu errado, mas que no finzinho aconteceu algo maravilhoso? 
E aquele dia em que tudo deu certo, exceto pelo final que estragou tudo? 
Você já chorou por que lembrou de alguém que amava e não pôde dizer isso para essa pessoa? 
Você já reencontrou um grande amor do passado e viu que ele mudou? 
Para essas perguntas existem muitas respostas... 
Mas o importante sobre elas não é a resposta em si... 
Mas sim o sentimento... 
Todos nós amamos, erramos ou julgamos mal... 
Todos nós já fizemos uma coisa quando o coração mandava fazer outra... 
Então, qual a moral disso tudo? 
Nem tudo sai como planejamos portanto, uma coisa é certa... 
Não continue pensando em suas fraquezas e erros, faça tudo que puder para ser feliz hoje! 
Não deite com mágoas no coração. 
Não durma sem ao menos fazer uma pessoa feliz! 
E comece com você mesmo!


Martha Medeiros

sábado, dezembro 04, 2010

Caminhos






E vamos nos deixando seguir, sendo levados pelas circunstâncias. Seguindo pelo caminho que não lembramos em que momento escolhemos. Fazendo o que esperam que façamos. O  tempo  passa e só restam frustrações e aquele gostinho de planos adiados e 'sonhos-não-realizados'.

"E o quê é que a vida fez da nossa vida?"


sexta-feira, dezembro 03, 2010

Desejos




Me toque e sinta
o arrepio que vem de dentro
e percorre por todo o meu corpo.
O olhar que incendeia-te.
O coração que bate tão forte e faz-me levitar.
Embriago-me de desejo
e sinto na boca sabor de vinho,
sabor do teu carinho,
gosto do teu beijo.
Atiça e aguça-me os sentidos.
Teu cheiro entra por entre meus poros,
vejo, ouço sinto...
cada vez mais perto, próximo, dentro.
Tão intenso!
Atração inegável...
eu e você, como imãs
somos atraídos.
Corpo a corpo,
beijo no beijo.
Nessa incansável rotina 
de saciar o mútuo desejo.


quinta-feira, dezembro 02, 2010

Só quero dizer






Só quero dizer o quanto foi bom sonhar contigo.
O quanto foi bom planejar um futuro e construir castelos, apesar da tristeza de vê-los todos desmoronarem lentamente...
E sozinha, na imensidão dos meus sonhos mais profundos, te imagino, te sonho. Te amo.





Ele quem mesmo?



O tempo passou, eu continuei acordando e indo dormir todos os dias querendo ser mais feliz para ele, mais bonita para ele, mais mulher para ele. Até que algo sensacional aconteceu. Um belo dia eu acordei tão bonita, tão feliz, tão realizada, tão mulher que eu acabei me tornando mulher demais para ele. Ele quem mesmo?

(Tati Bernardi)


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...